Avisos

Non non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on.

(11) 97642-6694
cursos@fseduca.com.br
Av. Dr. Vital Brasil, 177, cj 301, Butantã, São Paulo, SP

Atendimento: Segunda à Sexta das 08h00 às 17h00 |  (11) 96368-2293

Confira alguns dos principais aspectos jurídicos que todo Facility Manager deve se atentar

Qual a importância da participação do Facility Manager (FM) na elaboração de um contrato? Em quais aspectos este profissional deve se atentar? Para falar sobre este assunto, nossa aluna e Fabiana Carrano entrevistou o professor da FS EDUCA e advogado Luís Felipe Marzagão.

 

pastedGraphic.png

Marzagão atua nas áreas de Direito Tributário, Direito Administrativo e Direito Penal. É sócio do escritório de Advocacia Ronaldo Marzagão e especialista em Direito Tributário, Direito Penal e Processual Penal, pela PUC-SP.

 

pastedGraphic_1.png

Fabiana é Analista de Facilities, bacharel em Direito pela Universidade São Francisco e possui seis anos de experiência na gestão contratos de Facilities. Desde 2017 atua na operacionalização e gestão de contratos de Facilities da TOTVS S.A.

Ela faz parte da coordenação de comitê de Facilities na ANGC (Associação Nacional de Gestores de Contratos) e foi aluna do curso Gestão Operacional de Facilities II.

Confira a entrevista abaixo!

Qual a importância do Facility Manager na formalização de um contrato? E de qual forma o mesmo pode contribuir na elaboração de um bom contrato?

O papel do FM na elaboração de um contrato é fundamental. Tratando-se o operador de FM de alguém que lida diretamente com a  execução dos  contratos celebrados, com certeza terá mais condições  de prevenir e  alertar a empresa em relação a possíveis riscos e antever problemas que possam surgir no momento da execução - muitas  vezes assuntos que o  corpo jurídico, por mais técnico que seja,  poderá não visualizar. Por isso, o FM deve participar de todas as etapas da celebração dos contratos, desde a sua formação até a sua conclusão e execução, para que assim o objetivo de diminuir litígios possa ser alcançado pela empresa. Litigar em juízo custa caro e pode demorar. Deve ser sempre a última alternativa.

Quais os riscos de uma contratação de terceiros? Como podemos minimizar?

Os principais riscos decorrem da inadimplência contratual e discussão quanto à interpretação do objeto do contrato. A melhor  forma de  minimizar esses riscos é fazer buscas constantes sobre a  saúde  cadastral, financeira e patrimonial da empresa contratada,  bem como  certificar-se de que os contratos são claros com relação  à delimitação  do objeto da contratação, ou seja, aquilo que  constitui o objeto do  contrato, o bem da vida que está sendo  negociado (serviços e suas  extensões e alcance, fornecimento de  produtos com todas as  especificações e assim por diante).

De qual forma podemos garantir qualidade na prestação de serviços através do contrato?

O estabelecimento de um SLA - Service Level Agreement ou Acordo sobre o Nível de Serviço, com regras claras e precisas, é fundamental para estabelecer parâmetros e possibilitar a exigência da qualidade do serviço esperada. Além disso, uma prática importante, mas às vezes pouco usada, é o estabelecimento de pena convencional no contrato. É uma espécie de indenização mínima, que não precisa da demonstração de prejuízo para ser cobrada, no caso de haver inadimplência total ou parcial de uma das partes. Bastará a demonstração do inadimplemento da obrigação pela outra parte.  Isso economiza muita discussão judicial sobre a extensão e comprovação de danos e, ainda, é uma forma de a empresa garantir indenização caso tenha um contrato descumprido e queira trocar o fornecedor de serviços.

O contrato não foi renovado, porém os serviços continuam sendo executados. Quais os riscos?

Se o contrato for extinto pelo decurso do prazo nele previsto (contrato por prazo determinado), mas as partes continuarem a manter ativo o vínculo obrigacional, elas passarão a ter um contrato verbal.  O contrato verbal vale como qualquer outro contrato. No entanto, a  agravante será a dificuldade de  comprovação das reais condições desse  contrato, caso seja  necessário ingressar em juízo para executar uma  parte ou a  totalidade das obrigações existentes entre as partes, pois  tudo  que for combinado verbalmente pode não ficar registrado com  exatidão nem em meio que garanta a prova do ajuste.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe com sua rede de contatos!