Avisos

Non non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on non onono nono nono nonon on.

Atendimento: Segunda à Sexta das 08h30 às 17h30 | (11) 3644-4802 ou WhatsApp (11) 97642-6694

 

O mundo vem passando por mudanças drásticas nos últimos dois anos, causadas pela pandemia do “novo coronavírus" ou Covid-19. A Organização Mundial de Saúde (OMS) acompanha de perto a evolução da doença, o progresso das vacinas e as práticas adotadas pelos países para a contenção da pandemia, considerada como Emergência de Saúde Pública de Nível Internacional.

O Covid-19 trouxe uma nova realidade para pessoas e empresas que se viram obrigadas a mudar suas rotinas: usar e exigir o uso máscaras, passar álcool em gel, evitar encostar no rosto e em objetos na rua, lavar bem as mãos e não se aglomerar. Hoje, passado o pior cenário da pandemia, os trabalhadores começam a voltar à rotina dos escritórios, muitas vezes em modelos híbridos de trabalho, metade do tempo em home-office e a outra metade dentro das empresas.

E se a gestão de facilities sofreu com a introdução de novos procedimentos em todos os setores, na área da saúde essas mudanças tiveram um impacto ainda mais drástico.

Os Convênios foram obrigados a incluir testes de COVID na sua cobertura devido à alta de casos. Já na Saúde Pública, o número de pessoas em busca de atendimento de emergência e internação nas UPAs, Clínicas da Família e hospitais se multiplicou. Suas operações básicas não comportaram o súbito aumento da demanda e muitas mudanças foram feitas de última hora. Instalações provisórias foram criadas em locais disponíveis como estádios, ginásios, centros de convenções e outros. Alguns hospitais chegaram a ampliar suas áreas, da maneira como foi possível.

E daqui pra frente, como vai ser? Se você trabalha na área de saúde hospitalar, veja abaixo as 4 principais mudanças na gestão de facilities em hospitais pós-pandemia.

1- Alterações na estrutura e na Manutenção Hospitalar

Com hospitais cheios, manter salas, leitos e equipamentos em bom funcionamento também se tornou um ponto crucial na gestão de facilities pós-pandemia. 

Os hospitais tiveram de criar setores exclusivos, com isolamento, para não haver a contaminação de outros pacientes, adiar cirurgias eletivas, adquirir e gerenciar recursos como respiradores, balões de oxigênio e leitos de UTI.

Por isso, mais do que nunca, é necessário que o gestor crie um plano de manutenção preventiva e oriente sua equipe a revisar estoques de insumos e verificar com determinada periodicidade o estado de preservação dos equipamentos. É preciso estar preparado para cenários críticos do Covid-19, já que não se sabe ao certo as mutações que o vírus pode sofrer daqui para frente. 

2- Foco no RH e Segurança do Trabalho

Além da estrutura, todo um investimento precisou ser feito na contratação de mais profissionais, roupas e equipamentos de proteção individual.

Garantir o uso regular dos EPCs (equipamentos de proteção coletiva) e EPIs (equipamentos de Proteção Individual), como botas ou sapatos higiênicos, luvas, máscara, macacão, óculos de proteção é imprescindível, bem como a vacinação em dia.

A gestão de facilities deve treinar todos os colaboradores para que eles entendam a importância de se proteger contra o vírus e sigam à risca todos os procedimentos.

3. Mais atenção aos processos de higienização em hospitais

Claro que, em comparação a outras empresas, os hospitais sempre precisaram ter um cuidado extra na questão da higienização, limpeza e descarte de resíduos. Porém, com a chegada do COVID-19 essa cautela foi triplicada.

A gestão de facilities teve de adotar novos protocolos sanitários, como a maior frequência na lavagem de mãos e ambientes, indicados pela Anvisa - Agência de Vigilância Sanitária -, a fim de se evitar a propagação do vírus no ambiente hospitalar.

A higienização dos aparelhos de ar-condicionado, balcões e assentos de recepção também não deve ser esquecida.

4- Atenção redobrada à Gestão de resíduos

Como o coronavírus é altamente contagioso e pode ser letal, a manipulação dos resíduos de pacientes ou da ala de COVID deve ser feita com extrema cautela.

O lixo precisa ficar isolado, bem lacrado e os funcionários não devem ter contato direto com o mesmo.

É preciso que os gestores de facilities estejam bem informados e atentos aos colaboradores, para que eles sigam todos os procedimentos do Manual de Limpeza e Desinfecção de Superfícies da ANVISA.